(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-9238853027404359", enable_page_level_ads: true }); Apesar de alta recorde, Bolsonaro descarta tabelar preço da carne - Bahia Noticias Extremo Sul
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-9238853027404359", enable_page_level_ads: true });

Apesar de alta recorde, Bolsonaro descarta tabelar preço da carne

A alta no preço da carne tem preocupado o presidente Jair Bolsonaro. Em sua transmissão ao vivo nas redes sociais, nesta quinta-feira (28), ele disse que sabe que a população está reclamando, mas tentou explicar que a alteração no valor é resultado do aumento das exportações brasileiras.

Segundo ele, o “mundo começou a descobrir nossa produção” e, infelizmente, quando isso acontece, “acaba ocorrendo uma distorção no mercado interno”, mas que deverá ser resolvida em breve. Dentro do governo, no entanto, a avaliação é que dificilmente os preços voltarão ao patamar anterior.

“Eu não posso, agora, querer tabelar o preço da carne, congelar. Eu não posso fazer isso, não vou fazer. A nossa política é de mercado aberto. Logicamente os produtores rurais, pecuaristas estão gostando do que está acontecendo. Na Argentina e no Uruguai, produtores de carne, também está acontecendo o mesmo fenômeno. Está aumentando o preço também”, afirmou Bolsonaro.

Auxílio

Também nesta quinta-feira (28), o presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugênio Gouvêia, esteve reunido, no Palácio do Planalto, com o presidente Jair Bolsonaro e outros empresários do estado. Eles vieram pedir apoio do governo federal ao Estado, que hoje passa por sérios problemas financeiros.

O presidente da Firjan demonstrou, também, preocupação com a recente briga entre Bolsonaro e o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC). “Então não é possível que nós fiquemos apenas no problema do relacionamento pessoal e não nos dediquemos ao drama que nós sabemos, dessa desigualdade do Brasil”, ressaltou.

O pedido de ajuda não é novidade dentro do governo, que tem alegado restrição orçamentária para negar boa parte das solicitações.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin