Bento XVI não seria coautor de livro sobre celibato, dizem interlocutores

Após o lançamento do livro Do Fundo de Nossos Corações, fontes próximas ao papa emérito Bento XVI disseram que ele não é coautor da obra lançada nesta segunda-feira (13).

O livro, escrito pelo cardeal Robert Sarah, fala sobre a manutenção do celibato na Igreja Católica. Sarah, de posicionamento conservador, afirmou que Josef Ratzinger participou da produção da obra.

 

Ele fez, inclusive, uma publicação no Twitter, anexando imagens do que seria uma troca de cartas com o papa emérito que comprovariam a participação dele na produção do livro.

Cardinal R. Sarah@Card_R_Sarah

Des attaques semblent insinuer un mensonge de ma part. Ces diffamations sont d’une gravité exceptionnelle. Je donne dès ce soir les premières preuves de ma proche collaboration avec Benoît XVI pour écrire ce texte en faveur du célibat. Je m’exprimerai demain si nécessaire. +RS

Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter
1.209 pessoas estão falando sobre isso
No entanto, segundo o jornal italiano Corriere Della Sera, pessoas próximas ao papa emérito teriam dito que ele não teve participação direta.
De acordo com essas fontes, ele teria escrito um texto sobre o assunto e “colocado à disposição” do cardeal Robert Sarah — mas não teria participado da “operação editorial e midiática” e nem visto a capa e tampouco aprovado o livro.

Atualmente com 92 anos, Bento XVI renunciou ao papado em 2013 e, desde então, prometeu manter distância dos holofotes. Porém, de lá pra cá, o papa emérito concedeu algumas entrevistas e colaborou com algumas produções de artigos.

Toda essa história vem em meio à discussão do sínodo sobre a Amazônia, em que foi debatida a possibilidade de homens casados que vivem na região serem ordenados como padres. O papa Francisco já defendeu essas ordenações em outras circunstâncias.

A proposta prevê que os que já são diáconos da Igreja e têm uma família estável poderão se tornar padres.

A decisão sobre a manutenção do celibato em regiões da Amazônia deverá ser tomada pelo papa Francisco nos próximos meses.

*Com informações da repórter Camila Yunes