Ministério da Agricultura proíbe venda de 7 tipos de azeites após encontrar produtos fraudados e nocivos à saúde

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento proibiu a venda de seis tipos de azeites de oliva, após a fiscalização constatar produtos fraudados e impróprios ao consumo. A pasta determinou o recolhimentos nos supermercados das marcas: Oliveiras do Conde, Quinta Lusitana, Quinta D’Oro, Évora, Costanera e Olivais do Porto.

Os responsáveis são Rhaiza do Brasil Lmitada, Mundial Distribuidora e Comercial Quinta da Serra Limitada. A fiscalização identificou produtos falsos em oito estados, de Alagoas a Santa Catarina.

A polícia de São Paulo descobriu uma fábrica clandestina na Zona Leste da capital, com milhares de garrafas de uma mistura de óleos e aromatizantes nocivos à saúde, e outra em Guarulhos. O Ministério da Agricultura então realizou uma força tarefa para testar 54 marcas; com conformidade em 98% nos produtos.

Quem vender produtos falsos será denunciado e multado em R$ 5 mil. A recomendação é desconfiar de azeites muito baratos, uma vez que os azeites fraudados custavam em média de R$ 7 a R$ 10.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos