Por irregularidades, MEC anula contrato com organização internacional

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, convocou entrevista coletiva na última quinta-feira (4) para anunciar que anulou há quase um mês, no dia 10 de junho, um acordo com a Organização dos Estados Ibero-americanos para Educação, Ciência e Cultura.

O gasto nos últimos 10 anos teria chegado a R$ 180 milhões e, até o início do ano, 89 consultores trabalhavam como se fossem servidores da Pasta. Todos foram afastados. Segundo o ministro, o caso está sendo apurado e ainda não se pode afirmar que houve fraudes.

A área jurídica do ministério explica que existem outros acordos internacionais com características parecidas, mas reforça que a anulação do contrato foi preventiva. Houve muitas críticas na falta de controle da atuação desse consultores, que não apresentaram projetos nem metas em todos esses anos. Dos 89 consultores, 50 eram da área de tecnologia da informação. Os salários variavam de R$ 6 a R$ 12 mil por mês.

Em nota, a organização internacional se disse suspresa a decisão do Governo brasileiro e falou que desconhece qualquer irregularidade na parceira.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin